terça-feira

Artigo do Ziraldo

Porque Eu Votar no Lula

De Ziraldo para O Tempo -- 07/10/2006

 

Segundo o Mauro Santayana, que não nasceu em Minas – como o Itamar que nasceu no mar – mas é uma instituição mineira, a gente tem que ter muito cuidado com paulista. É claro que estou tratando a coisa como uma brincadeira, somos todos brasileiros (meus seis netos nasceram em São Paulo, a esposa do meu filho e os maridos de minhas filhas são paulistas e estou muito feliz com esta arrumação). Como em nossa História, porém, nós, mineiros, andamos de pinimba revolucionária com a paulistada, as lendas correm soltas.

 

Os cariocas diziam que mineiros compravam bondes. Compravam sim, confirmam alguns mineiros mais espertos; mas pra vender pra paulistas. Conta-se também que mineiros nunca se importavam de ver seus times sempre perdendo para os times paulistas. E explicavam: “Futebol nós perde; o que nós num perde é revolução.” Segundo o Mauro, que explica como a frase que vou citar surgiu – história da qual me esqueci – a rapaziada de Minas mais próxima da fronteira com São Paulo avisa pro resto da mineirada: “Paulista, nem à prazo nem à vista!” Taí o Fernando Henrique Cardoso que não deixa a mineirada mentir, não é mesmo, Itamar?

 

Bem, depois de ler esta introdução e ver lá em cima o título do artigo, os mineiros que me lêem neste instante e para quem um pingo é letra já perceberam onde quero chegar. Pra simplificar, antes de entrar em considerações é só lembrar ao meu povo – mineiro, como vocês sabem, chama o povo lá de casa de povo – que nós, o Brasil inteiro, ficamos, a esta altura, entregues a duas possibilidades paulistas: ou entra o Álck’min (cujo sobrenome é um desrespeito a Minas, terra dos alquimíns de Bocaiuvas) ou entra o Lula que, no fundo, é um metalúrgico paulista que venceu na vida.

 

Nunca podemos nos esquecer de que, quando FHC assumiu, o projeto deles era o de ficar vinte anos no poder. Dentro do plano, tiveram a cachimômia (adoro esta palavra!) de inventar o acontecimento mais anti-ético da história da República brasileira: a reeleição. Ela foi um sujo golpe às instituições, uma medida que nem os militares da ditadura tiveram a coragem de perpetrar, realizada em causa própria – com o principal beneficiário no poder – e conseguida da maneira mais desonesta de que se tem notícia: comprando, por preço nunca sabido, o voto dos deputados que, sem que a imprensa brasileira se escandalizasse ao nível do que se escandaliza hoje, começavam a desmoralizar mais ainda o nosso tão desmoralizado congresso. Tudo começou com essa gente. E eles querem voltar ao poder. “Non pasarán!” – os mineiros têm a obrigação de dizer.

 

A trajetória política do Lula serviu para provar que a alma humana é que atrapalha todos os mais nobres planos de salvação de um povo. A verdade é que ninguém, mas ninguém mesmo, ama o povo. É tudo conversa. As pessoas se movem em torno do poder e só depois é que descobrem uma causa para justificar sua luta por ele (o poder). Enquanto o ser humano, como indivíduo, mover-se em função do rancor, da carência afetiva e da inveja, não haverá possibilidade de êxito para qualquer causa coletiva. Mas isto é outra história.

 

O Luiz Fernando Veríssimo descobriu a pólvora: Lula é o sertão – vejam sua vitória no Norte e Nordeste; na alma do povo ele é mais de lá do que de São Bernardo – e o Alckmin é da Daslu. Delenda Daslu!

 

Não é possível que nós, mineiros – depois de termos cometido o erro que o Itamar cometeu, este de inventar essa deletéria figura do Fernando Henrique – vamos agora eleger o Alckmin. “Um erro, nós admitimos, dois, não.” – como diria o macaco que não devolveu o troco a mais na primeira compra e exigiu o troco a menos na segunda.

 

Tenho certeza de que o Aécio está no palanque apoiando o Alckmin por uma questão de lealdade ao seu partido – onde ele me parece um estranho no ninho, mas já que está lá... – e não por convicção. Ele sabe que Lula tem que ganhar disparado em Minas neste segundo turno para evitar que Alckmin assuma a presidência e mele o projeto nacional de ter o Aécio como presidente do Brasil no próximo pleito.

 

Então, é isto: o Aécio está falando que é pra gente de Minas votar no Alckmin. Mas, todo mineiro sabe que isto é como aquela velha anedota da rodoviária: “Ocê tá dizendo que vai pra Manhuaçu pra eu achar que ocê vai pra Manhumirim, mas, ocê vai é pra Manhuaçu, mesmo.” Ou seja, ele tá dizendo pra nós votá no Geraldo, mas é pra nós votá no Lula, mesmo.

 

Para aplacar a consciência dos possíveis eleitores do Lula que não votarão nele com muita alegria; prestem atenção: independente das razões que dei até agora pra nós, mineiros, votarmos no Lula, tenho outras razões mais consistentes.

 

Todo mundo fala do escândalo da corrupção no governo Lula. É realmente assustador, nunca vimos pessoal mais incompetente, mais desastrado, mais canhestro e – vamos lá – mais desonesto. Quer dizer, mais desonestos já vimos, sim. É só lembrar que a maioria dos escândalos que são atribuídos a estes melancólicos sindicalistas da tropa do Lula, esses peleguinhos de quinta ordem, sempre foram freqüentes em administrações anteriores, só não tiveram tanta visibilidade como têm agora. Muitos dos escândalos que se creditam à administração Lula começaram no governo anterior, como o escândalo dos sanguessugas – cujo teor de gravidade pode ser medido pelo valor atribuído ao dossiê que o denuncia – e a fabulosa aventura do Marcos Valério. Agora tudo se denuncia, tudo se apura, ainda que tudo vá ficar por isso mesmo, mas vejam um detalhe: a turminha do Lula, meus amigos, é descartável!

 

Eles são ladrõezinhos de m. dos quais o país pode se livrar com um peteleco. Vai ser fácil ficar livre deles. O que nós nunca conseguiremos é livrarmo-nos da oligarquia brasileira, dos Bornhauses da vida, dos Jereissatis, dos ACMS, dos ricos paulistas que já tiveram a coragem de confessar: “Somos todos corruptos!” É essa gente que herdou as capitanias hereditárias e que está montada no povo desde que os portugueses chegaram aqui. É essa gente que construiu a parte indecente da história do nosso país. É essa gente que fala em ética mas acha que aceitar voto de qualquer um é correto. É essa gente farisaica que pensa que é melhor do que o povo do Lula. Mas, não é. Temos que dar mais uma chance a este segmento da sociedade que chegou ao poder com o Lula. Eles estão sendo minados o tempo todo, mas, pelo menos, são outra gente. Não quero de volta os hipócritas da paulicéia desvairada. Prefiro o messianismo sertanejo do Lula.

Nenhum comentário:

Wesley's Twitter

Últimos vídeo

Loading...